quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Read n'Roll [1] - "Queen nos Bastidores" (Peter Hince)

Acabei de ler, esses dias, o livro "Queen nos Bastidores - Minha Vida com a Maior Banda de Rock do Século XX", do inglês Peter Hince. Ganhei do Maridão, de presente de aniversário, e adorei!

Peter começou como roadie do Queen, mais frequentemente de John Deacon, e depois passou a chefiar a equipe técnica, trabalhando para eles durante praticamente toda a vida útil da banda. Esteve ao lado deles em todas suas turnês dentro e principalmente fora da Inglaterra, gravações dos álbuns e filmagens dos clipes. O livro é escrito de forma muito elegante, o autor faz questão de dizer que não foi incluído nenhum detalhe escabroso ou desnecessário sobre a vida privada dos membros da banda, apenas histórias ocorridas "on the road" e curiosidades sobre Freddie, Brian, Roger e John e sobre todo o universo que os cercava.

O que temos, então, é um relato de como era a vida profissional de uma grande banda de rock, e de como é o trabalho que existe por trás da mesma, para que tudo aquilo possa acontecer, escrito por um cara que realizou o sonho de muitos jovens de classe média inglesa dos anos 70 - fazer parte daquilo tudo. Ele começou, adolescente ainda, a trabalhar como roadie para a banda Mott The Hoople, em 1973 e algum tempo depois, quando o Queen passou a abrir os shows da banda (bem mais famosa na época), foi contratado por Freddie & companhia.

Nem tudo era diversão, brincadeiras, sexo, drogas e rock and roll, muito embora fosse óbvio que tudo isso existia. Trabalhava-se duro, quase vida de operário mesmo, era desgastante, cansativo e tenso. Mas para Peter Hince, apelidado como "Ratty" (pois Freddie achava que ele parecia um rato) valeu a pena, pois durante o tempo que trabalhou para o Queen ele não só fez parte da história de uma das maiores e mais importantes bandas de todos os tempos como também se divertiu um bocado, encontrou muita gente interessante e conheceu boa parte do mundo. E ganhou uma nova profissão também, pois com suas economias ganhas como roadie, ele comprou uma câmera semi-profissional e passou a fotografar o cotidiano dos bastidores do Queen, algumas dessas fotos estão no livro também. Com o tempo, Peter foi tomando gosto pela fotografia e acabou se tornando profissional, voltado para a área de propaganda. Amostras de seu trabalho podem ser vistas em seu site oficial.

O livro "Queen nos Bastidores - Minha Vida com a Maior Banda de Rock do Século XX", de Peter Hince, saiu no Brasil este ano, pela editora Prumo e com tradução de Maria Elizabeth Hallak Neilson. É ótimo de ler, principalmente para aqueles que amam o rock and roll e sua história.
 
 

Keep on Rocking!

terça-feira, 28 de agosto de 2012

#Across The Universe [2] - Um dia em Liverpool (pt.3)

As quatro crianças de Liverpool...

Após conhecermos o centro de Liverpool, partimos para visitar as casas onde cada um dos quatro Beatles nasceu, começando pela primeira casa de Ringo Starr, no número 9 da Madryn Street. A construção se encontra vazia, assim como as da vizinhança, e toda a área corria o risco de ser demolida devido a um projeto de revitalização da área, até que a pressão popular convenceu o secretário de Estado de habitação britânico a manter e restaurar a casa de Ringo e outras 31 próximas.


Perto dali, uma construção que chama a atenção: é o prédio que aparece na capa do primeiro álbum solo de Ringo, "Sentimental Journey", gravado durante o processo de separação da banda e lançado ainda em 1970. Na entrada, um cartaz falando sobre a foto na capa do disco, mais uma demonstração do quanto a cidade se orgulha da história de seus filhos mais famosos.


Em seguida fomos à segunda casa de Ringo, para onde ele se mudou ainda criança, na Admiral Grove Street, nº10, e lá encontramos uma verdadeira jóia rara: uma senhorinha de 95 ANOS que foi vizinha de Ringo naquela época e hoje mora na casa. Miss Margaret se auto-intitula "Embaixadora dos Beatles" e tem nas paredes toneladas de fotos com os membros da banda e com outros artistas famosos também. Ficamos por uma meia hora na casa de Margaret ouvindo histórias da infância de Ringo, e do início do sucesso dos Fab Four, foi encantador!






Em seguida fomos conhecer o local onde nascera George Harrison. Só de entrar na Arnold Grove Street já fiquei emocionada, afinal George sempre foi o meu Beatle preferido. E chegamos ao nº12, onde ele nasceu. Entre os quatro, ele era o que tinha a situação mais difícil, sua casa era muito simples, o banheiro ficava fora da casa, inclusive. Dizem que no inverno o frio era tanto, e a família não tinha aquecimento em casa, que as comidas podiam ficar fora da geladeira, pois estaria mais QUENTE no interior do aparelho do que fora.






James Paul McCartney nasceu no Hospital Geral de Walton, em Liverpool, e passou a maior parte de sua infância e juventude no nº 20 da Forthlin Road. Essa casa é conhecida como "o berço dos Beatles", pois foi onde as primeiras músicas da banda foram compostas, e era ali que eles se reuniam e ensaiavam, no início. A área onde a residência se encontra foi toda reconstruída depois da II Guerra Mundial, foi uma das regiões que mais sofreu durante o período.





John Lennon nasceu e passou seus primeiros 5 anos de vida com sua mãe, na Newcastle Road, nº 9. Nessa época, seus tios acharam que seria melhor para a educação do menino se ele fosse morar com eles e o levaram para Woolton, na Menlove Avenue 251, numa casa conhecida como "Mendips". Ele morou lá com sua tia Mimi até os 23 anos de idade. Uma curiosidade: quando a família de Lennon se mudou de "Mendips", a casa foi alugada pelo tio do guia da nossa tour. Um belo dia, quando ele e sua família acordaram, encontraram vários Beatlemaníacos acampados em seu quintal e tirando fotos da casa... Inclusive o guia nos mostrou, e emprestou para tirarmos fotos, a plaquinha original do número da casa, que caiu e ele catou e guardou antes dos tios se mudarem dali.


E prosseguimos nosso passeio, ao som de "In My Life" e com todos nós chorando dentro da van... É, o guia sabia direitinho como conduzir a tour e emocionar a galera, até o CD que ele colocou como trilha sonora tinha o timing perfeito. Próxima parada: Penny Lane!

Keep on rocking!

domingo, 26 de agosto de 2012

Novidade no Maidens in Metal!

O blog Maidens in Metal agora também tem um Aplicativo do Facebook para comentários! Quem quiser comentar e publicar no Facebook, ou então curtir o que alguma outra pessoa escreveu, tem essa ferramenta à disposição. E quem preferir participar "à moda antiga", o formulário tradicional continua ali, assim como os comentários feitos nos posts anteriores! ;-)

***

E pra não dizer que não falei de rock, ontem foi aniversário de nada menos que 5 pessoas importantes na história do Rock e do Metal. Sopraram velinhas os Srs. Gene Simmons (KISS), Rob Halford (Judas Priest, Fight), Elvis Costello, Vivian Campbell (entre outras bandas: Whitesnake, Thin Lizzy, Dio, brigou com todo mundo e agora está no Def Leppard) e Derek Sherinian (Black Country Communion, já tocou no Dream Theater, Planet X, já colaborou com KISS, Alice Cooper, Billy Idol, Yngwie Malmsteen, entre outros - ufa!). Se tivesse um baterista, já dava pra fazer uma senhora banda só com nascidos no dia 25/08. Ok, tem muita cara de que esses cinco juntos ia acabar em briga, mas o som ia ser bom! Rsrs...


Keep on rocking!


sábado, 25 de agosto de 2012

Andreas Kisser no Muro da Fama de Liverpool!!

Por falar em Liverpool, o Brasil finalmente tem seu primeiro representante no Muro da Fama da cidade. O "Liverpool's Cavern Club Wall of Fame" é uma parede de tijolos que fica bem em frente ao lendário Cavern Club, sendo que cada tijolo tem gravado o nome de uma banda ou músico famoso e relevante. Só gente fina: além dos Beatles (e dos quatro integrantes separadamente também), artistas do quilate de Queen, The Who, Elton John, Thin Lizzy, Focus, Judas Priest, entre outros. Eu, Marido e amigos nos divertimos procurando os nomes de nossas bandas preferidas na parede, e tiramos algumas fotos. E até agora, nenhum músico brasileiro tinha recebido a honra de ter seu nome imortalizado ali.

Mas, conforme publicado no site Blabbermouth, o guitarrista Andreas Kisser (Sepultura) ganhou seu tijolinho no Wall of Fame na International Beatle Week deste ano, que está acontecendo essa semana! Segundo o dono do Cavern Club e organizador do evento, ele já conhecia Kisser de participações anteriores no festival, tocando com a banda Clube Big Beatles, mas não sabia o quanto o nome dele era grande pelo mundo afora, e confessou que Heavy Metal não é exatamente um estilo de música que ele acompanhe. Mas ao tomar conhecimento da fama do Sepultura e de seu principal músico, achou que era mais do que hora de dar ao guitarrista o seu próprio tijolo. E para sorte dele, a homenagem veio exatamente no dia de seu aniversário, 24 de agosto. Presentão, hein? :-)


A International Beatle Week é um importante evento musical que acontece todos os anos em Liverpool, reunindo artistas e fãs dos Beatles vindos de mais de 20 países. Além de shows, exibição de filmes e vídeos e palestras com convidados especiais, quem vai ao festival também encontra artigos temáticos para comprar e dispõe de guias para uma excursão pelos principais pontos da cidade (assim como a que fizemos, pena que não foi durante a Beatle Week). A banda-tributo Clube Big Beatles vai se apresentar esse ano, com Kisser na guitarra, um set-list de duas horas contemplando o "White Album" inteiro.


Keep on rocking!

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

#Rock n'Nerd [1] - Blue Dragon soundtrack (Xbox360)

Estava observando Marido jogar sua mais nova aquisição para o Xbox 360, "Blue Dragon", quando ao chegar no primeiro "chefe" do jogo, algo me soou muito familiar... A trilha sonora dessa fase era um hard rock muito bom e eu tinha a sensação de que já conhecia aquilo, principalmente a voz do cantor. Eu e Marido nos olhamos e concluimos que o som tinha MUITA cara de Deep Purple, fomos pesquisar e BINGO!

A música, chamada "Eternity", foi composta por Nobuo Uematsu (que fez a trilha toda do jogo), com letra de Hironobu Sakaguchi (roteirista do mesmo), e foi gravada por ninguém menos que IAN GILLAN! O jogo foi lançado em 2007 e a música saiu também em um single.



Keep on rocking!

terça-feira, 21 de agosto de 2012

#Across The Universe [2] - Um dia em Liverpool (pt.2)

Continuando nosso passeio por Liverpool, conhecemos alguns pubs e bares que tiveram importância na história dos Beatles, como The Grapes, The Jacaranda e obviamente o mais do que conhecido Cavern Club. Não chegamos a entrar em nenhum desses bares, pois o tempo era curto e ainda tínhamos muitos lugares para visitar, mas conseguimos ter uma boa visão geral do panorama "beatlemaníaco-etílico" de Liverpool.

Um dos primeiros pubs que vimos foi o The Grapes, na Matthew Street, conhecido por ser o preferido do quarteto, era o local que eles frequentavam. Era costume da banda passar lá para tomar sua cervejinha, entre um show e outro no Cavern Club. Aliás, não só a banda, mas a platéia também...

Explicando: naquela época, o Cavern não vendia bebidas alcoólicas, por ser um "point" preferencialmente adolescente. A polícia local costumava dar "duras" nos bares, aparecendo sem avisar, e retirando do recinto todos os menores de idade que estivessem consumindo álcool, e assim alguns estabelecimentos optavam por simplesmente não vender birita. Como resultado disso, acabado o show no Cavern, tanto os quatro músicos quanto a maior parte da platéia rumava para o The Grapes, apenas para beber, já que àquela altura era o único local próximo que garantia a cerveja. O bar conta com uma grande quantidade de memorabilia dos Beatles, o que faz valer a pena uma visita com mais calma de uma próxima vez.

Na mesma rua, encontramos o Lennon's Bar, o qual, segundo reviews de pessoas que frequentaram, é um pé-sujo sem vergonha, só que com uma trilha sonora de qualidade - adivinhem o quê? Um dos usuários chega a dizer que "é irônico o bar ter esse nome, pois seria um lugar que

o próprio Lennon odiaria"... Ainda na Matthew Street, temos o Rubber Soul Oyster Bar, que é um pub mais comum, com música ao vivo, karaokê, stand up comedy licença especial para funcionar a madrugada toda, o que garante aos notívagos um local para beber a hora que for.


Depois, na Slater Street, chegamos ao The Jacaranda, que foi o primeiro lugar onde os Beatles se apresentaram MESMO, DE VERDADE, antes do Cavern Club. Foi fundado em 1957 por Allan Williams, que alugou uma antiga loja de conserto de relógios para transformá-la no bar. Williams foi também o primeiro empresário do quarteto de Liverpool. Infelizmente, The Jacaranda decretou falência e fechou as portas em novembro de 2011. Não se sabe se o novo dono do local manterá o nome e nem se continuará tendo espaço para shows. Espero que sim, pois esse bar tem uma ligação grande com a história dos Beatles.

E encerramos o dia no Cavern Club, com uma boa sidra inglesa (nham!), ao som de uma dupla cover dos Fab Four, muito competente por sinal... Mas isso é história para um outro post, exclusivamente sobre o lendário pub, com direito a história, fotos e vídeo. ;-)

Keep on rocking!

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

R.I.P. Scott McKenzie

Os anos 60 foram uma fonte de estilos, inovações e revoluções musicais que se refletem no Rock and Roll, e na música em geral, até hoje, por isso eu dou muito valor aos artistas que ajudaram a construir de alguma forma essa história. Sem eles, não teríamos nada do que está aí, não teríamos Heavy Metal, nem Hard Rock, nem Punk, nem Prog, nem nada.

E é triste ver que eles também envelhecem e se vão. Só fiquei sabendo hoje do falecimento do cantor e compositor Scott McKenzie, ocorrido no último sábado (18/08). McKenzie foi um dos ícones da contracultura americana dos anos 60, e imortalizou o hino "San Francisco (Be Sure to Wear Flowers In Your Hair)", fez parte da segunda formação dos lendários The Mamas & The Papas e faleceu aos 73 anos, depois de uma longa enfermidade.

O artista se tornou conhecido por sua carreira solo, mas nos anos 80 acabou aceitando o segundo convite (havia recusado o primeiro vários anos antes) do amigo de adolescência John Phillips para entrar no grupo vocal The Mamas & The Papas, famoso por "California Dreamin'", "Monday, Monday" e outros clássicos. Scott substituiu o outro vocalista original, Denny Doherty, enquanto Elaine "Spanky" MacFarlane e Mackenzie Phillips (filha de John), entraram respectivamente nos lugares de Mama Cass Elliot e Michelle Phillips (segunda esposa de John - yes, that's family business!). Essa formação chegou a se apresentar no Brasil e eu tive a felicidade de assistir, junto com meu pai! :-)

Uma curiosidade: apesar de Mckenzie ser compositor, seu mega sucesso "San Francisco (Be Sure to Wear Flowers In Your Hair)" é de autoria do amigo John Phillips, e sendo assim, a música passou a fazer parte do repertório do grupo, com sua entrada no mesmo.

Tenho que admitir que é meio estranho saber da morte de alguém que eu já vi ao vivo, no palco, se apresentando. Foi assim ao saber da morte do Dio, do Jon Lord, do Celso Blues Boy, e de metade do grupo The Mamas & The Papas, considerando que Phillips se foi em 2001.



Keep on rocking...

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

16/08/77 - Morre Elvis Presley (ou não?)

Há exatos 35 anos atrás, um dos maiores cantores de rock de todos os tempos virava lenda: em 16 de agosto de 1977, morria ELVIS PRESLEY. Uma das maiores vozes do rock and roll, barítono com 3 oitavas de extensão vocal (atingindo tons às vezes de baixo, às vezes de tenor), Elvis imortalizou uma série de sucessos que até hoje são conhecidos e regravados.

O cara que surgiu como ícone da juventude e da rebeldia, com seu rebolado e sua atitude e visual rocker, aos poucos foi sucumbindo à própria fama, terminando por se destruir. Protagonizou uma série de filmes (alguns deles passaram à exaustão na Sessão da Tarde) e tinha toda uma máquina promocional por trás dele, administrada pelo Coronel Tom Parker, seu empresário. Com o passar dos anos, sua saúde mostrou que não aguentava bem essa pressão toda, e Elvis passou de rockeiro rebelde a showman cafona de Las Vegas, mas - e ISSO é o mais importante - sua voz continuava poderosa e ele continuava gravando boas músicas. Eu, particularmente, prefiro a fase inicial, de "Jailhouse Rock", "That's Allright Mama", "Hound Dog", "Blue Suede Shoes" e similares, mas sua fase "entertainer" também rendeu coisas boas, como "Suspicious Minds".

Apesar de sua morte precoce aos 42 anos, vítima de um ataque cardíaco fulminante devido a overdose de remédios (que haviam se tornado um vício em seus últimos anos de vida), Elvis continua sendo um dos artistas que mais geram faturamento anualmente, números na casa dos milhões de dólares por ano. Sem contar as inúmeras teorias conspiratórias que insistem em afirmar que o Rei não morreu, apenas desistiu disso tudo e forjou a própria morte, ou virou agente do FBI, ou mora em Madagascar... Há quem diga que ele aparece em cantos de fotos tiradas em Graceland, há quem diga que já o viu na rua.

Na verdade, Elvis não morreu, porque música boa não morre nunca! O Maidens in Metal presta aqui uma pequenina homenagem a um dos pais do Rock and Roll.



Keep on rocking!

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

#Across The Universe [2] - Um dia em Liverpool (pt.1)


Quando eu e marido fizemos nossa tão esperada e planejada viagem, reservamos um dia para finalmente conhecer o lugar onde tudo começou... Fizemos um longo passeio por Liverpool, para conhecer a história e as origens daquela que, ao menos para mim, é a banda mais importante da história do rock: The Beatles!

Foram tantas histórias e tantas emoções em um dia só, que vou dividir em vários posts, sempre com fotos, para tentar passar um pouco do que sentimos estando por lá.


Liverpool é uma cidade portuária, muito bonita e arrumadinha, aliás, bem mais bonita do que eu imaginava. Seu grande trunfo é ter sido o berço dos Beatles, e isso é muito bem explorado e aproveitado por todo canto, literalmente. Além dos lugares de nascimento de cada um dos fab four, pontos citados em músicas (Penny Lane, Strawberry Fields, entre outros), e locais onde a banda se apresentou ou frequentava, praticamente TUDO faz referência à banda.


Fizemos uma tour guiada fechada (somente eu, Marido e os três amigos brasileiros que estavam conosco) e o guia, além de competente, também era fã, o que tornou tudo mais divertido. Começamos com uma visão geral da cidade, e logo de cara nos deparamos com ruas com nomes de músicas dos Beatles, um "Beatles Café" e um "Eleanor Rigby Hotel". Mais adiante, uma homenagem à mendiga que recolhia o arroz na igreja após os casamentos: uma estátua de Eleanor Rigby, sentada em um banco (no melhor estilo Carlos Drummond de Andrade em Copa). CLARO que sentamos ao lado dela, trocamos uma idéia e tiramos foto... A obra é do escultor e multiartista inglês Tommy Steele e está situada na Stanley Street, não muito longe do lendário Cavern Club. Também nessa rua ficava a Hessy's Music Store, uma das maiores lojas de instrumentos na época do surgimento da banda, e onde a tia de John Lennon, Mimi, comprou sua primeira guitarra em 1957.

Tantas coisas legais e a tour estava só começando... (continua)

Keep on rocking!

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Who Are You?

Assistindo à cerimônia de encerramento das Olimpíadas, ontem, fiquei maravilhada com a qualidade musical do evento. Claro que tinha uma coisa ou outra que não me agradava (como Oasis, por exemplo), mas no geral, muito bom gosto na escolha das músicas, na maioria clássicos do rock e pop inglês. Convenhamos, não tinha muito como dar errado, né não?

E pra fechar a noite, show com THE WHO!! Sim, eles mesmos, ou no caso a dupla Pete Townshend + Roger Daltrey, pois infelizmente Keith Moon e John Entwistle foram participar daquela "jam" do outro lado, junto com Dio, Randy Rhoads, Jon Lord e tantos outros.

Logo no início da parte musical do evento, a banda inglesa Kaiser Chiefs fez uma cover honesta de "Pinball Wizard", também do Who, que me fez pensar por onde andaria Sir Elton John (que interpreta essa música no filme "Tommy") e porque ele não estava lá participando da festa. E no final, lá estavam eles, mais velhos, mas ainda cheios de rock and roll para dar. A voz rasgada de Daltrey continua potente e ele mantém todos os velhos trejeitos que só ele faz, enquanto Pete Townshend continua girando o braço direito como hélice quando toca, e olhem que toca MUITO ainda!

Foram só 3 músicas: "Baba O'Rilley", "See Me, Feel Me" e "My Generation". Passou rápido demais, por mim poderiam ter tocado mais uma meia horinha, garanto que ninguém ia reclamar. E o final teve direito à presença de todos os outros artistas que participaram do show. Consequentemente, hoje fiquei ouvindo o meu "The Who Live" direto, sonhando com a probabilidade muito remota deles fazerem shows aqui no Brasil um dia.

Keep on rocking!

PS: Não esquentem com a opção "assistir em 3D" desse vídeo, tem como desabilitar e todo mundo fica feliz! ;-)

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

MISTRUST em Angra dos Reis! - 11/04/12

E como o show não pode parar, sábado o Metal come solto em Angra dos Reis (RJ), com as bandas MISTRUST (Metal Tradicional), SEPULNATION (Sepultura Cover) e DFRONT SA (Thrashcore)! O evento SÁBADO UNDERGROUND, produzido pela equipe Angra Rock, acontecerá no Clube Vera Cruz e começa às 20h. Parabéns à equipe pela iniciativa de levar bandas de fora da cidade para mostrar seu trabalho em Angra!




Keep on rocking!

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

R.I.P. Celso Blues Boy

Recebi hoje com tristeza e surpresa a notícia do falecimento de Celso Blues Boy, lendário cantor, guitarrista e compositor brasileiro. Um câncer na garganta, doença desgraçada, o levou muito cedo, com apenas 56 anos. Ainda chocada com o fato, me lembrei das três oportunidades que tive de assistir a um show dele, e também de como já foi simples fazer Rock and Roll... Quando não se precisava de uma caixa de lápis de cor com 180 cores e nem se misturava palavras aleatoriamente para parecer intelectual (Ah, os pseudos, malditos pseudos...).

Apesar da conotação das músicas de Celso ser bastante crua, underground, ate mesmo meio "suja", tudo parecia extremamente honesto, até mesmo meio "inocente": puro blues, puro feeling, puro ROCK!

Descanse em paz, Garoto do Blues!

Keep on rocking...

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

#Primórdios do Rock [1] - Qual foi a primeira gravação?

Qual foi a primeira gravação de Rock and Roll do mundo? E quando ela foi feita?

Isso ninguém pode afirmar com 100% de certeza. Teorias existem, são muitas e a maioria delas é plausível. E aqui está uma muito bacana...

Meu Marido tem jogado no Xbox um jogo muito interessante chamado "Fallout 3", o qual se passa num mundo pós-apocalíptico. Como a hecatombe nuclear supostamente se passou na década de 50, a humanidade sobrevivente estacionou culturalmente nesta época, e a trilha sonora do jogo (genial, diga-se de passagem) é composta de vários sucessos dos anos 40 e início dos anos 50. Muito jazz e blues em interpretações de Cole Porter, Ella Fitzgerald, Billie Holliday, Bob Crosby, The Ink Spots, entre outros. Gravações originais, com chiados e estalinhos, e por isso mesmo, cheias de charme. Mesmo quem não gosta de jogar pode comprar a trilha sonora separada, eu recomendo, é bom demais.

Gostei tanto que resolvi pesquisar um pouco a respeito de algumas músicas do jogo, e assim cheguei nas Andrews Sisters. Foi um grupo vocal de muito sucesso nos EUA, formado pelas irmãs LaVerne, Maxene e Patty Andrews, chegando mesmo a ser o mais popular grupo feminino em sua época (fim dos anos 30 até meados dos anos 60). E ao pesquisar sobre elas, descobri que uma de suas canções mais famosas, "Boogie Woogie Bugle Boy Of Company B", de 1941 (!!) é considerada por muitos como uma das primeiras gravações de Rock and Roll da história. Realmente, ao ouvirmos, podemos identificar os elementos básicos do rockabilly e do rock clássico, mas esse estilo de som era chamado, na década de 40, de "Jump Blues", ou seja, um blues tocado em ritmo mais acelerado e dançante. Só mesmo em meados dos anos 50 esse tipo de música passou a ser identificado como Rock and Roll, propriamente dito.

Mas que tudo isso é muito interessante, isso é... E a música é bem legal!

Keep on rocking!